Buscar
  • Anderson Mendes

Como acolher se a Síndrome do Fim do Ano chegar?


Enquanto para muitos as datas festivas de final de ano podem ser sinônimo de celebração e alegria, para outros não é bem assim - os feriados que marcam o encerramento de mais um ciclo podem ser momentos difíceis e de sofrimento para alguns humanos. Mas por que isso acontece e como lidar em situações como esta?


Uma pesquisa da International Stress Management Association revelou que o estresse elevado nesse período do ano atinge 80% das pessoas, o que significa que você provavelmente conhece alguém que se encaixe neste quadro, popularmente conhecido como “Síndrome do Fim do Ano”.


É comum dedicar os últimos dias do ano à reflexão sobre os momentos vividos - tanto os bons, quanto os ruins -, não é mesmo? Acontece que isso pode causar alterações de humor. Também existe o fato de que as comemorações de natal e réveillon envolvem, quase que obrigatoriamente, a reunião de familiares e amigos. Logo, esse pode ser um momento complicado para quem, por algum motivo, passa as festas desacompanhado.


Para quem perdeu familiares ou entes queridos no ano que se passou, a dor se faz presente nesses dias. E em mais um ano enfrentando a pandemia da Covid-19, que já deixou mais de 600 mil mortos no Brasil, são muitos os lares que vão contar com menos integrantes nas festas de natal e ano novo, despertando os sentimentos de saudade e melancolia em muitas famílias.


E não para por aí: os motivos que podem elevar o estresse e a tristeza no final do ano são diversos, e muitos deles estão relacionados à vida profissional. Administrar as últimas demandas do trabalho, bater as metas atuais e elaborar um planejamento para o ano seguinte são tarefas estressantes e que podem influenciar no aumento da ansiedade. Talvez você conheça bem esse cenário e essa sensação.




O motivo é o que menos importa - seja qual for a razão que faz a síndrome se instalar na vida de alguém, é importante oferecer acolhimento. Discutir o assunto entre aqueles que não vivem isso na pele também é essencial. Considerando que o ambiente corporativo é onde muitos passam a maior parte do tempo, criar um espaço que acolha os funcionários e promova cuidados com a saúde mental pode ser um grande aliado na luta contra transtornos psicológicos e ainda interferir positivamente na produtividade e no relacionamento interno das equipes.


Mas por onde começar?


Vamos aos fatos: os transtornos de ansiedade e depressão custam US$ 1 trilhão por ano à economia global, e isso não sou eu que estou dizendo. A informação é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que ainda diz que cada US$ 1 investido em tratamentos dos transtornos gera o retorno de US$ 4 em capacidade de trabalho. Esses são dados que indicam que os transtornos afetam o desempenho profissional e a pergunta que fica é: a saúde mental dos funcionários é uma preocupação na sua empresa? Se não, esse cenário precisa mudar.


Mas se a sua resposta foi sim, é preciso analisar se os métodos trabalhados com esse objetivo estão sendo suficientes e se há melhorias a serem feitas. Apesar de estarmos falando sobre a Síndrome do Fim do Ano, os transtornos psicológicos afetam as pessoas durante os 12 meses do ano. Por isso, é necessário pensar sobre saúde mental não só quando as comemorações de natal e ano novo estão chegando, tampouco vale se dedicar à discussão apenas em setembro, quando acontece a campanha “Setembro Amarelo”, que existe desde 2015 no Brasil e tem como objetivo conscientizar a população acerca do suicídio, de forma a preveni-lo.


O enfrentamento dos transtornos psicológicos deve estar incluso no planejamento da área de Recursos Humanos (RH) durante todo o ano. Para começar, é importante estabelecer um local de trabalho saudável e acolhedor, que enxergue seus colaboradores como indivíduos com potencial, que merecem ser ouvidos e respeitados. Se você está em um cargo que tem como um dos propósitos garantir um espaço como esse na empresa, que tal colher feedbacks dos funcionários, para descobrir se as estratégias usadas estão cumprindo com o seu papel?


Ambientes confortáveis e com espaços dedicados ao relaxamento durante as pausas no expediente também podem auxiliar no alívio do estresse. Mas para além do básico, as empresas também podem promover eventos e criar conteúdos voltados para saúde mental. Convidar psicólogos e psiquiatras para oferecer palestras e diálogos internamente que exaltam a importância do tema pode fazer toda a diferença.


Investir em conteúdos com a participação de profissionais da saúde que possuem vasta experiência no assunto também é uma boa escolha, tanto para compartilhar internamente quanto para além dos funcionários da empresa, alcançando outros públicos que podem se beneficiar deles. Basta entender o formato que mais faz sentido para quem vai consumir - textos, vídeos e podcasts são os mais populares - e começar a produção.


Acolhimento em datas festivas




Próximo às datas comemorativas de fim de ano, quando o estresse começa a se elevar, há outras práticas para incentivar o cuidado com a saúde mental dos funcionários que nós do Instituto Gente Feliz consideramos essenciais. Sem excluir as ações já sugeridas, o setor de RH pode pensar também em proporcionar rodas terapêuticas dedicadas à conscientização da Síndrome do Fim do Ano.


O Instituto Gente Feliz é especialista na criação de projetos de saúde mental e bem-estar emocional voltados para empresas e pode ser um grande aliado nesse tipo de ação, que deve ter como objetivo oferecer dicas para auxiliar no processo de quem enfrenta a síndrome e espalhar conhecimento entre quem não têm o humor alterado negativamente nesse período do ano.


Com psicólogos na equipe e projetos que envolvem consultorias, workshops, conteúdos, eventos, entre outros, o instituto já atendeu clientes como Google, Hospital Santa Catarina e Banco do Brasil. A expertise de uma empresa como essa pode facilitar o processo de incluir o incentivo à saúde mental no planejamento de uma organização.


É importante também lembrar que, sem oferecer um bom treinamento a quem ocupa os cargos de liderança da empresa, todos esses esforços podem não alcançar os resultados ideais. Além disso, se possível, é importante disponibilizar atendimento psicológico para todos os colaboradores, seja presencial ou na modalidade online. Unindo o acompanhamento psicológico a um ambiente de trabalho acolhedor, além de ter funcionários mais felizes e saudáveis, as empresas podem obter ainda melhores resultados. No final das contas, todos os humanos sairão ganhando :)

6 visualizações0 comentário